Estudante do ensino médio cria pomada cicatrizante e vira promessa da ciência brasileira

A jovem Camila Agone tinha 15 anos quando terminou o Ensino Fundamental em uma escola pública de Santo André, na Grande São Paulo. Detalhe: o colégio tinha os piores índices de desempenho na cidade. Ela e seus pais decidiram que seria melhor cursar o Ensino Médio em outro lugar e, três anos depois, ela criou uma pomada cicatrizante a partir de um componente nunca usado antes.

A Escola Estadual Jardim Riviera, para onde Camila mudou, tinha acabado de ser aberta, e, como funcionaria em horário integral, poucos alunos se interessaram pelo projeto. Foi justamente esse modelo que permitiu à garota escolher uma disciplina eletiva – sobre ciência – em que os estudantes desenvolveriam uma pesquisa científica.

Por morar perto de um parque, Camila decidiu trabalhar com plantas. Sem saber direito o que fazer, ela saiu para caminhar por lá e encontrou uma árvore chamada Embaúba, cujas propriedades nunca haviam sido pesquisadas a fundo. A sabedoria popular dizia que a árvore tinha poder cicatrizante, e a jovem decidiu ir a fundo.

Sua pesquisa se desenvolveu tanto que o laboratório da escola não foi capaz de dar o suporte necessário. Então a adolescente terminou os estudos em parceria com professores da Unifesp, a Universidade Federal de São Paulo.

Depois de trabalhar com chás e sucos, ela decidiu que a pomada seria o formato ideal para aplicar as propriedades da Embaúba, já que o sabor do chá era muito ruim e a aparência do suco não encorajaria ninguém a tomá-lo. O poder cicatrizante da pomada rendeu prêmios, exposição em feiras e a publicação de um artigo científico.

Nenhuma empresa se interessou pelo projeto a ponto de bancar sua fabricação em grande escala, então a pomada acabou ficando parado na Unifesp. Hoje com 19 anos, Camila está estudando Engenharia de Energia na Universidade Federal do ABC, curso escolhido porque a jovem quer ajudar a melhor a matriz energética brasileira, com foco no uso de energias renováveis. Seu objetivo é estudar para poder se envolver em algo que tenha impacto na vida das pessoas, e não há por que duvidar de seu potencial.

 

 

Fonte: Blog Hyppines 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.